Mundo

Onze mortes em Itália, um hotel de quarentena em Espanha e novos casos em três países europeus: o ponto da situação do coronavírus

A Organização Mundial de Saúde ainda não declarou pandemia de Covid-19. No entanto,, há um aumento acentuado de casos em todo o mundo.

O Irão anunciou que 16 pessoas morreram no país por causa da doença. De manhã o governo anunciou 15 vítimas fatais, e, depois, outra morte foi confirmada na cidade de Saveh, a cerca de 100km a sudoeste de Teerão.

O vice-ministro da Saúde do país, Iraj Harirchi, foi diagnosticado com a doença esta terça-feira, anunciou o Executivo. O governante estava na “linha de frente” do combate ao vírus, de acordo com o comunicado.

Um segundo funcionário do governo do Irão, o deputado Mahmoud Sadeghi, também anunciou que foi diagnosticado com o vírus.

Por causa das infecções, que já são 95 no território iraniano, de acordo com o governo, os Emirados Árabes Unidos proibiram, nesta terça-feira (25) os voos para o país por pelo menos uma semana. Os Emirados anunciaram 13 casos da doença, a maioria deles ligados a viagens à China, onde começou o surto do vírus.

A Turquia e o Paquistão também fecharam as fronteiras terrestres com o Irão há dois dias. A Turquia cancelou voos devido à doença, mas, esta terça, um avião da Turkish Airlines foi desviado para Ancara, a capital turca, a pedido do governo, por haver suspeitas de que um passageiro estava infectado com o vírus. O voo saiu da capital do Irão, Teerão, e seguia para Istambul, na Turquia.

O Bahrein suspendeu os voos do Dubai e Sharjah, ambos dos Emirados Árabes. O país anunciou que há, agora, 8 pessoas infectadas com o vírus no seu território, 4 delas cidadãos sauditas. Segundo o ministério da Saúde bareinita, todas chegaram do Irão pelo Dubai.

O governo do Líbano também decidiu, nesta terça-feira, restringir voos a países com surtos de Covid-19. Foram suspensos voos para peregrinos – muçulmanos do país voam com regularidade para países como o Irão, Iraque e Arábia Saudita. O Líbano confirmou o seu primeiro caso do novo coronavírus na última sexta-feira (21) – uma mulher de 45 anos que chegou ao país vinda do Irão.

Ainda no Médio Oriente, o Afeganistão, o Kuwait, o Iraque e Omã também informaram os seus primeiros casos da doença na segunda-feira (24), todos ligados a viagens de ou para o Irão. Nesta terça (25), o Iraque também confirmou outras 4 novas infecções.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump pediu ao Congresso na segunda-feira (24) 2,5 mil milhões de dólares para preparar o país no caso de um surto de Covid-19. Segundo a Casa Branca, o dinheiro seria usado para desenvolver vacinas, tratamentos e adquirir equipamento protetor. 14 casos da doença já foram registados nos EUA.

Hotel em quarentena
Nas Ilhas Canárias, um arquipélago espanhol perto da costa de África, um hotel na ilha de Tenerife foi colocado em quarentena esta terça-feira depois de um médico italiano que estava lá hospedado ter sido diagnosticado com o novo coronavírus.

De acordo com a Associated Press, há cerca de mil turistas em isolamento no H10 Adeje Palace, na cidade de Adeje. O médico diagnosticado foi mandado para uma clínica local, e amostras de exames estão a ser analisadas. Segundo a agência espanhola Europa Press, o italiano chegou à ilha vindo do norte da Itália, onde já há 283 infectados, e foi a uma clínica na segunda-feira (24) quando começou a sentir-se mal.

Ainda este mês, outras duas pessoas – de nacionalidade britânica e alemã – foram mantidas em quarentena pela doença, mas recuperaram e seguiram viagem.

Mais casos na Europa
Outros 3 países europeus – Áustria, Croácia e Suíça – confirmaram esta terça-feira os primeiros casos do novo coronavírus. Com os novos registos, são pelo menos 10 os países europeus afetados pelo surto.

E pelo menos 3 novos casos de Covid-19 foram diagnosticados no sul da Itália, onde ainda não havia registos da doença. Todos são de turistas que viajaram do norte para o sul do país: uma mulher saiu de Bergamo, na Lombardia, e foi diagnosticada na Sicília. Outras duas infecções também foram registadas na Toscana, no centro do país.

O número de vítimas mortais subiu esta terça-feira de sete para 11 por causa do novo coronavírus. O país fechou escolas, museus e teatros, isolou cidades e cancelou o carnaval em Veneza na tentativa de conter o vírus.

No Reino Unido, o secretário de Saúde pediu que as pessoas que tenham sintomas parecidos com os do Covid-19 e que tenham estado ao norte de Pisa, em Itália, fiquem em casa por 14 dias. Segundo a BBC, o conselho também se aplica a qualquer pessoa que tenha voltado de cidades em quarentena na Itália mesmo se não tiverem sintomas da doença.

A Espanha também anunciou hoje o primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus na Catalunha, subindo assim para quatro o número de infetados em território espanhol.

Em Portugal, já houve 15 casos suspeitos, que resultaram negativos após análises, estando dois novos casos a ser avaliados, um no hospital de são João no Porto e outro no Curry Cabral, em Lisboa. Para já, o único caso conhecido de um português infetado pelo novo vírus é o de um tripulante de um navio de cruzeiros que está hospitalizado no Japão.

Infecções aumentam na Ásia
A China anunciou que há 77.779 casos de Covid-19 no país, mais 121 que no dia de ontem. Outras três pessoas morreram, elevando o número de mortes para 2.666. O surto foi identificado na cidade de Wuhan, na província de Hubei, no dia 31 de dezembro.

Na Coreia do Sul, a quantidade de casos confirmados subiu para 977, e 10 pessoas morreram pela doença. Um comissário de bordo da companhia aérea “Korean Air Lines Co” foi diagnosticado com o vírus, segundo confirmação do centro de controle e prevenção de doenças sul-coreano.

O país afirmou que pretende testar todos os cerca de 200 mil membros de uma igreja em Daegon, no centro do país, onde o primeiro caso da doença foi registrado.

No Japão, há 853 infecções confirmadas.

As duas únicas regiões sem registos são a América Latina e a África subsaariana.

 

Fonte
executivedigest.sapo.pt
Mostrar mais

Artigos relacionados