Miscellanea

‘Raspadinha’ do Património rendeu 6 milhões ao fundo de salvaguarda

O primeiro ano de atividade da "lotaria instantânea" do Património rendeu um total de seis milhões de euros em resultados líquidos ao Fundo de Salvaguarda do Património Cultural, indicou hoje fonte oficial à agência Lusa.

De acordo com a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), foi este o valor arrecadado pelos bilhetes da chamada ‘raspadinha do património’, com valor facial de um euro, vendidos entre 18 maio de 2021 e 18 de maio deste ano.

o 2020.

Segundo o mesmo estudo, em 2018 o valor das raspadinhas vendidas em Portugal foi de 1.594 milhões de euros, o que significa que cada pessoa gastou, em média, cerca de 160 euros por ano nas lotarias instantâneas.

Em Espanha, no mesmo ano, foram vendidas raspadinhas no valor de 627,1 milhões de euros, o que equivale a cerca de 14 euros por pessoa.

Uma tese de doutoramento de 2015, de Maria João Ribeiro Kaizeler, também citada por Francisco Assis, concluiu que em Portugal se consumia, em média, mais jogos de lotaria do que na Europa e no mundo inteiro.

Leia Também: Assis aponta “responsabilidades públicas” ao vício da raspadinha

Mostrar mais