Nacional

Portugal passa os três mil casos no dia com mais internados de sempre

O boletim epidemiológico da DGS de hoje revela mais 3270 infetados com o novo coronavírus e 16 mortes. Estão ainda hospitalizadas 1365 ​​​​pessoas (mais 93 do que ontem), 200 destas nos cuidados intensivos (mais 13). Nunca estiveram internadas tantas pessoas desde o início da pandemia

ortugal volta a bater um recorde de novos casos em 24 horas. Foram confirmadas mais 3270 infeções e 16 vítimas mortais por causa da pandemia de covid-19. Prevendo-se, segundo a ministra da Saúde, Marta Temido, que “este número de casos ainda vá aumentar nos próximos dias”.

Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta quinta-feira (22 de outubro), no total, desde que a pandemia começou, registaram-se 109 541 infetados, 64 531 recuperados (mais 1293) e 2245 vítimas mortais no país.

Neste momento, há 42 765 doentes ativos a ser acompanhados pelas autoridades de saúde, mais 1961 ​​​​​​​do que ontem.

A maioria dos infetados das últimas 24 horas localiza-se na região do norte (mais 1954 – 59,8% do total) e em Lisboa e vale do Tejo (936 – 28,6%). Seguem-se o centro (mais 281), o Alentejo (56), o Algarve (28), a Madeira (12) e os Açores (três).

A ministra da Saúde disse, no final da reunião do Conselho de Ministros, que esta subida de casos “corresponde ao que vínhamos prevendo”, que está em linha com a situação epidemiológica “de todos os países da União Europeia” e que deverá ainda agravar-se nos próximos dias. “Até uma vacina ou um tratamento eficaz ninguém está a salvo de ficar doente”, relembrou Marta Temido.

Até agora, o máximo de casos diários notificados tinha sido na passada sexta-feira, dia 16 de outubro, quando se registaram 2608 infeções, seguido desta quarta (2535).

Já o indicador do RT (risco de transmissão do vírus ao longo do tempo) é agora de 1.26 a nível nacional, de acordo com os cálculos do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), realizados entre os dias 12 e 16 de outubro. A região onde este parâmetro está mais elevado é a do centro (1.38) e onde está menos é em Lisboa e vale do Tejo (1.17).

Dia com mais internados

Nesta quinta-feira, estão internados 1365 doentes, ou seja, mais 93 do que no dia anterior. Este é o valor mais elevado de hospitalizações desde o início da pandemia no país. Nem no pico de abril, quando chegaram a estar nos hospitais 1302 doentes com covid, houve tantos internamentos.

Nos cuidados intensivos há agora 200 pessoas – mais 13 do que na véspera. É preciso recuar até 23 de abril para encontrar um número mais elevado de doentes críticos internados. Na altura eram 204.

O boletim da DGS de hoje indica ainda que as autoridades de saúde estão a vigiar 55 809 contactos de pessoas infetadas (menos 73 do que ontem).

Maioria dos óbitos entre norte e Lisboa e vale do Tejo

Os 16 óbitos registados nas últimas 24 horas distribuem-se pelas regiões do norte (mais sete), de Lisboa e vale do Tejo (seis), do centro (dois) e do Alentejo (um).

As vítimas mortais são 13 homens e três mulheres. Entre estas, havia nove pessoas com mais de 80 anos, três entre os 70 e os 79 e quatro entre os 60 e os 69.

A taxa de letalidade global do país é hoje de 2%, subindo aos 11,5% no caso das pessoas com mais de 70 anos – as principais vítimas mortais.

Governo proíbe circulação entre concelhos durante cinco dias

Por causa da evolução da pandemia, de 30 de outubro a 3 de novembro será proibida a circulação entre concelhos, anunciou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, após uma reunião do Conselho de Ministros, esta quinta-feira.

Foram também aprovadas novas restrições para os concelhos de Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira, onde passa a vigorar o “dever de permanência no domicílio”, com exceção feita para deslocações para o emprego ou para a escola, por exemplo. Fica ainda proibido, a partir da meia-noite, eventos com mais de cinco pessoas nestes municípios.

Na mesma conferência de imprensa, Mariana Vieira da Silva declarou luto nacional no dia 2 de novembro em homenagem a todas as vítimas de covid-19.

Já a ministra da Saúde comunicou que o governo autorizou a DGS “à realização da despesa em 2020 e 2021 referente à aquisição do medicamento Veklury com a denominação comum internacional remdesivir”, o fármaco indicado para adolescentes e adultos no tratamento da covid. Vão ser adquiridas mais de cem mil unidades, indicou Marta Temido.

41,5 milhões de casos em todo o mundo

O novo coronavírus já infetou mais de 41,5 milhões de pessoas no mundo inteiro até esta quinta-feira e provocou 1 137 687 mortes, segundo dados oficiais, atualizados às 11.15. Há agora 30,9 milhões de recuperados.

No total, os Estados Unidos da América são o país com a maior concentração de casos (8 585 748) e de mortes (227 419). Em relação ao número de infetados acumulados no mundo, seguem-se a Índia (7 708 947), o Brasil (5 300 649) e a Rússia (1 463 306). Portugal surge em 44.º lugar nesta tabela.

Quanto aos óbitos, depois dos Estados Unidos, o Brasil é a nação com mais mortes declaradas (155 459), seguido da Índia (116 681) e do México (87 415).

F0NTE Rita Rato Nunes DN.PT

FOTO © Orlando Almeida / Global Imagens

Fonte
DN.PT
Mostrar mais

Artigos relacionados