Saúde

“Centaurus”, a nova sub-variante da Ómicron que preocupa os especialistas

Pretende partilhar este texto? Utilize as ferramentas de partilha que encontra na página de artigo. Todos os conteúdos da VISÃO são protegidos por Direitos de Autor ao abrigo da legislação portuguesa. Apoie o jornalismo de qualidade, não partilhe violando Direitos de Autor. https://visao.sapo.pt/visaosaude/2022-07-14-centaurus-a-nova-sub-variante-da-omicron-que-preocupa-os-especialistas/ A sub-variante BA.2.75 foi detetada na Índia, no início de maio, e já está presente em pelo menos mais dez países

Uma nova sub-variante da Ómicron está a preocupar as autoridades de alguns países. A sub-linhagem BA.2.75, apelidada de “Centauros”, foi detetada em maio na Índia e já chegou a cerca de 10 países, incluindo o Reino Unido, Alemanha, Austrália, EUA e Canadá.

Os especialistas estão preocupados com a sua rápida transmissibilidade e capacidade de escapar aos anticorpos. No Reino Unido, o número de casos desta variante está a subir acentuadamente – aparentemente de forma mais rápida do que a BA.5, considerada de rápida disseminação devido à sua grande capacidade de fugir aos anticorpos induzidos pela vacinação ou por infeções anteriores.

Os virologistas dão conta do grande número de novas mutações da BA.2.75 em relação à BA.2, a partir da qual terá evoluído. Tom Peacock, virologista do Imperial College London, que foi o primeiro a identificar a Ómicron como uma potencial preocupação em novembro de 2021, diz, citado pelo The Guardian, que “não são tanto as mutações exatas, mas o número/combinação” que fazem. “É difícil prever o efeito de tantas mutações juntas – isso dá ao vírus uma propriedade de carta ‘joker’, onde a soma das partes pode ser pior do que cada uma delas individualmente”, acrescentou.

A BA.2.75 pode ser, segundo este especialista, uma candidata a substituir a BA.5, o que vai ao encontro do que muitos têm dito. “Vamos continuar a viver com este vírus e as oscilações dependem, quase inteiramente, do aparecimento de novas variantes. O que, embora não descarte, acho pouco provável”, dizia, há poucas semanas à VISÃO, Manuel Carmo Gomes, epidemiologista e professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Para acrescentar, logo de seguida: “o que acredito, sim, é que vão surgir mais sublinhagens da Ómicron”.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) designou a “Centaurus” como “variante em monitorização” a 7 de julho, o que significa que há alguma indicação de que pode ser mais transmissível ou associada a doença mais grave, mas ainda não existe essa avaliação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) também está a monitorizar de perto esta variante, mas ainda não existem amostras suficientes para avaliar a sua gravidade.

A BA.2.75 ainda não foi detetada em Portugal, pelo menos não está indicada no último relatório da “Diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2” do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), de 12 de julho. “Não há evidência de que esta variante vá substituir a BA.5 ou que seja mais grave. Temos de aguardar serenamente, ainda é cedo para falar”, alerta Manuel Carmo Gomes.

Matthew Binnicker, virologista norte-americano, disse o mesmo à revista Time. “Ainda é cedo para se tirarem conclusões. Mas parece que, especialmente na Índia, as taxas de transmissão desta nova sub-variante estão a ter um aumento exponencial.”

Citada também pela Time, Lipi Thukral, cientista do Conselho de Pesquisa Científica e Industrial do Instituto de Genoma e Biologia Integrativa em Nova Deli, na Índia, diz que a “Centaurus” parece estar a transmitir-se mais depressa do que outras sub-variantes nas regiões onde foi detetada.

Em Portugal, de acordo com o documento do INSA, a BA.5 tornou-se a sub-linhagem dominante em meados de maio e tem, atualmente, uma frequência relativa de 92,3%.

A BA.2, que foi dominante antes da BA.5, chegando a ter uma frequência de 95% no fim do mês de março, tem outras sub-linhagens que têm sido monitorizadas, BA.2.12.1 (não ultrapassou a frequência de 2%) e BA.2.35, tendo sido, também detetados casos de mais sub-linhagens, como a BA.2.38 ou BA.2.72.

FONTE visao.sapo.pt

Fonte
VISAO.SAPO.PT
Mostrar mais

Artigos relacionados